segunda-feira, 1 de junho de 2015

O mar de Angra dos Reis



O carro aponta o último túnel
De repente
A escuridão das cavernas
A umidade em gotas
E suas pedras escuras
E surge
A claridade do sol exposta
Que nos abala a retina
Entre raios coloridos
Das frestas que transpassam
As copas imponentes das árvores
Neste momento
No horizonte desponta
O mar de Angra dos Reis
Já se pode mirar
Uma de suas ilhas
Das centenas que povoam sua baía
Aqui de cima se vê o espelho
Da superfície verde de suas águas

E que se confunde com os olhos
Da garota que a pouco partiu.


Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=106019 © Luso-Poemas

Um comentário:

Silencio disse...

Lindo poema! Saudades de ler você...bom que você colocou o link. Abracos.

Postar um comentário