terça-feira, 19 de maio de 2015

O café de Isabelle


Lavar o chão da cafeteria
Não é para todos
No entanto, ela Isabelle.
...só ela o lavava.
Com muita água,
...sabão, escovão.
E com muito carinho
Além do chão
O balcão, as banquetas.
...as pequenas mesas.
Trocar a toalha
O guardanapo
O açucareiro
O calor faz exalar gotas de suor
...sobre a pele fina.
E escorrem como gotas de orvalho.
Enquanto caminha com a limpeza
A água ferve no pequeno fogão
O pó do café já posto
...no coador de pano,
...sobre o bule esmaltado.
Retira do balcão de vidro
Tabuleiros com restos
...de bolos e pãezinhos.
Coloca-os sobre a pia.
Passa o pano úmido sobre o balcão
Volta ao café que exala no ar
Ajeita uma xícara
- açúcar ou adoçante? ...pergunta Isabelle.
- adoçante! ...eu respondo.
Sorri novamente com o suor sobre a testa
...e o avental molhado.
Passa o pano úmido sobre o balcão
Eu o tomo em dois goles
40
Ela junta as toalhas e panos
Joga-os no cesto
Que fica no estreito corredor,
Que leva a pequena cozinha.
Vira-se e sorri
Passando as mãos sobre a testa
Num ar de cansaço.
- pode baixar a porta?
- toma outro café comigo? ...ela faz duas perguntas seguidas.
O ponteiro do relógio marca 23 h.
- claro! ...eu respondo indo em direção a porta.
- você ainda faz aquela massagem? ...Isabelle pergunta colocando o adoçante nas duas xícaras.

Um comentário:

Silencio disse...

Mmmm, esse café tem um sabor especial em tuas letras. Gostei muito.

Postar um comentário